Windows 95 completa 25 anos: quando o Windows se tornou mainstream

Em 24 de agosto de 1995, a Microsoft lançou o Windows 95. Esse sistema operacional de PC inovador e de grande sucesso afastou as pessoas que usavam PCs fora das linhas de comando. Também fez da Microsoft um nome familiar. Eis por que o Windows 95 era tão especial.

Todas as janelas, o tempo todo

Um dos recursos mais notáveis ​​do Windows 95 foi que ele tentou, pela primeira vez, afastar os usuários completamente de um prompt de comando. Ao contrário do Windows 3.11, o Windows 95 inicializou diretamente em uma interface gráfica, apesar de ter um kernel aprimorado do MS-DOS correndo sob o capô.

Antes do Windows 95, os proprietários de PCs tinham que comprar o MS-DOS e o Windows separadamente e depois instalar um em cima do outro. Por padrão, a maioria das pessoas ainda inicializava no MS-DOS e executava o Windows sempre que precisava.

O Windows 95, porém, envolvia tanto o shell do Windows quanto o MS-DOS em um produto e o chamava de sistema operacional completo.

A maior vantagem de uma linhagem MS-DOS era que o Windows 95 era amplamente compatível com milhares de programas escritos para MS-DOS e Windows 3.x prontos para uso. Isso tornou uma atualização bastante indolor para a maioria das pessoas.

No lado negativo, ser baseado no MS-DOS tornou o Windows 95 propenso a travamentos frustrantes (principalmente devido a conflitos de gerenciamento de memória), especialmente quando comparado a algo como o da Microsoft Windows NT.

A linha Windows NT só começou a unir a divisão profissional/consumidor com o Windows 2000 cinco anos depois. Ele não substituiu totalmente a série Windows 9x baseada em DOS até o lançamento do Windows XP em 2001.

O nascimento do menu Iniciar e da barra de tarefas

Se você usou o Windows nos últimos 25 anos, está familiarizado com o icônico menu Iniciar e a barra de tarefas, ambos originados no Windows 95. O menu Iniciar serviu como um substituto conciso e lógico para o Gerenciador de Programas no Windows 3. x para organizar e iniciar aplicativos instalados.

A Microsoft apresentou o botão Iniciar com destaque em grande parte de sua publicidade e o divulgou como uma maneira simples de qualquer pessoa “começar” a usar seu PC com Windows.

Explorando o menu Iniciar do Windows 95.

O menu Iniciar também deu origem a alguma confusão cômica, como mostra esta revisão do New York Times de agosto de 1995, que lamentou: “Onde está a opção Desligar? No botão Iniciar, é claro!”

A barra de tarefas do Windows 95 se estendia pela parte inferior da tela (como agora) fornecendo uma maneira compacta, mas sofisticada, de gerenciar tarefas em várias janelas de aplicativos. O Windows 3.x não tinha essa funcionalidade, nem o Macintosh na época.

Na verdade, pode-se argumentar que foi o botão Iniciar e a barra de tarefas que permitiram que o Windows 95 superasse o Mac OS em funcionalidade pela primeira vez. Isso foi um grande negócio em 1995, já que os fãs da Apple há muito ridicularizavam a Microsoft como se estivesse tentando alcançar o Macintosh. O Mac OS não recebeu um iniciador ou gerenciador de tarefas ativado por padrão até o OS X Beta em 2000.

A origem do Windows Explorer (e mais)

O Windows 95 marcou a primeira aparição do Windows Explorer (agora chamado de “File Explorer”), um gerenciador de arquivos e shell do sistema operacional em um. Ao contrário do Windows 3.x, que divide o gerenciamento de arquivos e aplicativos em dois programas diferentes, o Explorer os uniu (semelhante ao Localizador antes dele). Ele lidava não apenas com janelas cheias de ícones representando arquivos e aplicativos, mas também o menu Iniciar e a barra de tarefas.

Outras inovações de software do Windows 95 incluem:

Um menu de contexto do botão direito do mouse para operações diretas de arquivo.
Uma área de trabalho que pode armazenar arquivos como uma pasta.
Atalhos de arquivo.
A Lixeira.
Gerenciador de Dispositivos
“Meu Computador” na área de trabalho.
Um utilitário “Localizar” em todo o sistema.
Suporte a aplicativos nativos de 32 bits (através do API Win32).
Apoio ao novo API DirectX, que permitia jogos em tela cheia do Windows.

O Windows 95 foi um grande lançamento projetado para afastar as pessoas da dependência do MS-DOS para fazer as coisas. Todos esses novos recursos tornaram isso possível pela primeira vez (em um produto da Microsoft, pelo menos).

Célula livre

A Microsoft

O FreeCell apareceu pela primeira vez como um programa de demonstração para a API Win32 (para máquinas Windows 3.x). no entanto enviado com o Windows 95 e logo se tornou uma sensação a par com o Windows Solitaire e o Campo Minado anteriores (ambos também incluídos no Windows 95).

Sua profundidade e complexidade manteve os jogadores viciados por mais de uma década enquanto eles tentou resolver todos os seus 32.000 jogos possíveis.

A Internet na área de trabalho

Em sua primeira versão de varejo, o Windows 95 não incluía um navegador da web. Em vez disso, as pessoas viram um ícone de um novo serviço online chamado The Microsoft Network (MSN) na área de trabalho. A Microsoft concebeu o MSN como um concorrente para CompuServe e Prodígio.

No entanto, mesmo antes do lançamento do MSN, Bill Gates reconheceu a inevitabilidade do domínio da World Wide Web. Como resultado, o MSN logo mudou para se tornar mais um Provedor de internet (ISP).

O navegador da Web da Microsoft, o Internet Explorer, começou como um complemento opcional para o Windows 95. Em dezembro de 1995, no entanto, novas versões do Windows 95 (começando com Versão de Serviço OEM 1) incluiu o Internet Explorer por padrão.

As pessoas acessavam o navegador por meio de um ícone na área de trabalho chamado “Internet”. Desenvolvedores de navegadores da Web concorrentes, como Netscape, descobriram que isso era um excesso de monopólio da Microsoft. A inclusão do Internet Explorer no Windows 95 levou a o grande caso antitruste EUA versus Microsoft em 1998.

Após um julgamento inicial que exigia que a Microsoft fosse desmembrada, a Microsoft prevaleceu em um recurso e foi embora com um tapa no pulso. E o Internet Explorer continuou a ser incluído em versões futuras do Windows.

Novas alturas no marketing

Para lançar o Windows 95, a Microsoft lançou uma campanha promocional de US$ 300 milhões, que foi citado na época como, talvez, o mais caro da história americana. Foi uma campanha de alto perfil sem precedentes para um produto de software. Ele também foi complementado por uma arte amigável, azul-celeste, e um nome cativante que parecia diferenciar o Windows 95 de outras versões de software mais estéreis.

A arte da caixa mais antiga da Microsoft (à esquerda) e a caixa de varejo do Windows 95 mais amigável ao consumidor (à direita).

A empresa anunciava em todos os lugares: jornais, revistas, rádio, TV e outdoors. Isso também licenciado “Start Me Up” pelos Rolling Stones por US $ 3 milhões para usar em uma série de comerciais de TV de alto perfil.

Em 24 de agosto de 1995, a Microsoft realizou um grande evento de lançamento de imprensa em seu campus em Redmond, Washington, apresentado por Jay Leno. Foi supostamente transmitido ao vivo por satélite para eventos menores da Microsoft em todo o mundo.

O efeito foi impressionante. O Windows 95 recebeu muita atenção e trouxe a Microsoft para o mainstream cultural como um símbolo de sucesso nos negócios. A empresa vendeu 1 milhão de cópias do Windows 95 durante sua primeira semana no mercado, e 40 milhões em seu primeiro ano. O Windows 95 foi um verdadeiro sucesso.

Feliz aniversário, Windows 95!