O que é Bokeh na fotografia e como você o cria?

Bokeh é um termo que os fotógrafos usam muito. Refere-se à forma e qualidade da área fora de foco em uma foto. É mais perceptível na forma como os realces especulares e as luzes pontuais são renderizados, mas está presente em todos os lugares.

Como pronunciar “Bokeh”

Pronunciado “boh-keh”, este termo vem da palavra japonesa “boke”, que significa algo próximo de borrão ou neblina, embora seja muito mais sutil do que isso. Em 1997, o “h” foi adicionado pelo editor da Photo Techniques, Mike Johnston, para que a forma escrita se assemelhasse mais à pronúncia.

Há a mesma ênfase em ambas as sílabas – não é “boke” (rima com poke) ou “boh-kee”. “Boh-kay” é bem próximo, pois, como todas as línguas, o japonês também tem variações regionais. Você pode conferir esse vídeo ouvir a maneira certa (e quase toda errada) de dizer bokeh.

Profundidade de campo e bokeh

O bokeh está no fundo deste retrato.

Bokeh é realmente um julgamento de qualidade subjetiva das áreas objetivamente fora de foco de uma imagem. Diz-se que uma imagem em que as áreas desfocadas parecem boas e aumentam a estética tem “bokeh bom”.

Uma imagem em que a área fora de foco distrai ou prejudica a estética pode ser considerada como “bokeh ruim”. Novamente, porém, como isso é subjetivo, as pessoas podem discordar se uma foto tem bokeh bom ou ruim.

Como o bokeh só é relevante quando grandes porções de uma imagem estão fora de foco, geralmente é associado à fotografia em que se deseja uma profundidade de campo rasa, como retrato ou alguma fotografia de vida selvagem. Também está associado à fotografia macro e esportiva porque pode ser um efeito colateral do equipamento ou das circunstâncias.

Claro, uma imagem tirada para qualquer estilo de fotografia pode ter bokeh. Falaremos mais sobre a qualidade do bokeh mais tarde, mas por enquanto, vamos falar sobre a profundidade de campo.

A profundidade de campo é a quantidade do plano focal que é aceitável para o espectador. É o que determina o que está dentro ou fora de foco em uma imagem. Em uma imagem com uma profundidade de campo rasa, como o retrato à esquerda acima, apenas uma pequena parte (neste caso, apenas alguns milímetros) do plano focal está em foco. Você notará que até as orelhas do modelo estão levemente embaçadas.

Em uma imagem com grande profundidade de campo, como a foto à direita acima, tudo está em foco. A profundidade de campo é afetada pela distância focal da lente, a abertura para a qual a lente está definida, a distância que o assunto está da câmera e o tamanho do sensor da câmera.

O que importa para o bokeh não é tanto que as imagens tenham áreas fora de foco, mas sim como elas são renderizadas. Quando algo fica fora da profundidade de campo, em vez de ser reproduzido exatamente no sensor da câmera, é reproduzido como um círculo borrado.

Esse fenômeno é chamado de “círculo de confusão.” É mais aparente com fontes de luz pontuais, e é por isso que luzes e outros destaques especulares são tão visíveis quando estão fora de foco.

No entanto, como tudo a ver com óptica, há um pouco mais de nuances do que isso. Fontes de luz pontuais são apenas teoricamente renderizadas como círculos. Como eles realmente aparecem é determinado pelo design e construção da lente. Então, isso também é o que determina a qualidade do bokeh.

Fatores que afetam o bokeh

Vários elementos de design da lente afetam a aparência do bokeh. O primeiro é o número de lâminas de abertura na lente. Aqueles com menos lâminas de abertura renderizarão mais círculos poligonais de confusão. Por exemplo, uma lente com sete lâminas de abertura produz heptágonos, enquanto uma lente com nove (ou mais) produz um bokeh mais arredondado.

Observe o bokeh poligonal no círculo.

A abertura da lente também afeta o bokeh. Uma abertura maior produzirá um bokeh maior e mais arredondado. Em aberturas mais estreitas, a forma da íris é mais definida, seja um círculo ou um polígono, e os círculos de confusão serão menores.

Fotografado com abertura total em f/5.6 com uma lente zoom de consumidor, o bokeh é menos pronunciado aqui.

Aberração esférica está presente em todas as lentes fotográficas. As etapas que você executa para corrigi-lo também afetam o bokeh de uma imagem. Uma lente que corrige fortemente a aberração esférica terá círculos de confusão que são mais brilhantes na parte externa do que no meio, o que é chamado de efeito “bolha de sabão”. Uma lente que corrige menos a aberração esférica terá o efeito oposto: círculos de confusão com centros brilhantes e bordas desbotadas.

O ângulo em que a luz entra na lente também afeta o bokeh. Perto da borda de uma imagem, os círculos de confusão geralmente são representados mais como elipses do que como círculos, o que é chamado de efeito “olho de gato”. Com algumas lentes, o efeito olho de gato é tão pesado que o bokeh parece estar girando em um círculo.

Bokeh bom, bokeh ruim, bokeh feio

Provavelmente está bem claro agora, mas os fotógrafos enlouqueceram profundamente com o bokeh. Há muita discussão sobre o que faz um bokeh bom ou ruim, mas há alguns pontos que merecem destaque.

Bokeh é um julgamento subjetivo de qualidade sobre as áreas objetivamente fora de foco de uma imagem. Um bom bokeh não necessariamente faz uma boa foto. Um assunto chato com bokeh agradável ainda fará uma foto chata, as áreas fora de foco parecerão decentes.

Evite sempre usar a abertura mais ampla apenas para perseguir o bokeh, pensando que isso melhorará suas imagens – há muito mais do que isso.

O fotógrafo é o que torna o bokeh bom ou ruim. Algumas pessoas odeiam o efeito bolha de sabão, enquanto outras compram lentes especificamente para criá-lo. Geralmente, porém, o bokeh suave e circular é considerado mais bonito porque é o menos provável de distrair o assunto.

Em nossa opinião, a imagem acima tem o que consideramos um bokeh bom, enquanto a imagem abaixo tem um bokeh ruim. As áreas fora de foco são muito texturizadas e atraentes, e o efeito de bolha de sabão é muito na sua cara.

Capturando Bokeh em suas imagens

Embora geralmente não recomendemos apenas tirar fotos de fundos desfocados (é um pouco clichê neste momento). Existem algumas coisas que você pode fazer se quiser aumentar a qualidade do bokeh em suas imagens ou, pelo menos, ter mais controle criativo sobre ele.

O uso de uma lente principal com uma abertura máxima ampla tende a fornecer um bokeh mais agradável do que as lentes de zoom do consumidor, especialmente se elas foram projetadas para fotografia de retrato ou macro.

Fotografe com a maior abertura possível que ainda mantém seu assunto totalmente em foco. Às vezes, isso significa abertura total, mas em outras, você precisará usar uma abertura um pouco mais estreita para obter tudo o que deseja nítido.

Pense também no seu passado. Luzes pontuais e realces especulares brilhantes (como gotas de chuva refletidas nas folhas) fornecem o bokeh mais definido, enquanto sombras escuras tendem a renderizar indistintamente.

Além disso, se você aumentar ao máximo a distância entre o assunto e o plano de fundo, obterá o plano de fundo mais desfocado e, portanto, um bokeh mais suave. Lentes telefoto mais longas também aumentarão esse efeito, desde que você consiga manter uma boa distância entre o assunto e o fundo.

Também é importante aprender a focar com precisão sua câmera. Algumas situações que levam a um bom bokeh são difíceis para o sistema de foco automático da sua câmera.

Experimente e brinque. Capturar um bom bokeh é uma daquelas coisas que você só pode aprender fazendo porque é subjetivo.

Por que seu smartphone precisa falsificar o Bokeh

A maioria dos smartphones modernos tem um modo retrato que, entre outras coisas, desfoca os fundos para emular o bokeh de uma lente de grande abertura. Se o efeito parece bom ou não, depende de você, mas por que deve ser falsificado é interessante.

Novamente, para obter um bom bokeh, uma imagem precisa que partes do primeiro ou do fundo estejam fora de foco. Como abordamos acima, a abertura, a distância focal e o tamanho do sensor afetam a profundidade de campo.

Enquanto as câmeras dos smartphones possuem amplas aberturas fixas (geralmente f/1.8 ou f/2.0), a distância focal das lentes é bem curta (geralmente, entre 2-6mm). Como eles também têm sensores muito pequenos, o fator de corte significa que eles têm o mesmo ângulo de visão das lentes grande angular ou normal em uma DSLR de quadro completo.

Aqui está o problema: o fator de corte afeta apenas o campo de visão aparente, não a profundidade de campo. É a distância focal real da lente que importa e, em smartphones, as lentes têm distâncias focais muito curtas. Isso, por sua vez, significa que há uma profundidade de campo muito grande e, portanto, sem bokeh.