Por que o Desktop Linux ainda é importante

O lendário “Ano do Linux Desktop” nunca se materializou, e provavelmente nunca acontecerá. Isso significa que o Linux em um PC desktop é irrelevante? De jeito nenhum! Desktop Linux ainda é incrível.

O ano do desktop Linux?

Dirk Hohndel, que era então o chefe de Linux e tecnólogo de código aberto da Intel, previu que em 1999, o Linux penetraria no mercado de desktops de PC e substituiria o Windows. Ele é creditado por cunhar a frase “o ano do desktop Linux”.

Duas décadas depois, ainda estamos esperando. Todo ano, mais ou menos, um especialista da indústria vai arriscar e declarar aquele ano o ano do desktop Linux. Simplesmente não está acontecendo. Cerca de dois por cento dos desktops e laptops usam Linux, e havia mais de 2 bilhões em uso em 2015. São cerca de 4 milhões de computadores rodando Linux. O número seria maior agora, é claro – possivelmente cerca de 4,5 milhões, que é, aproximadamente, a população do Kuwait.

No entanto, o Linux roda o mundo: mais de 70% dos sites rodam nele, e mais de 92 por cento dos servidores rodando EC2 da Amazon plataforma usa Linux. Todos os 500 supercomputadores mais rápidos no mundo rodam Linux. Existe até um Linux ou FreeBSD-derivado do kernel em seu smartphone, seja ele rodando iOS ou Android, e há mais de 2,5 bilhões de smartphones Android.

Quaisquer gadgets inteligentes em sua casa quase certamente executam Linux integrado e switches de rede, roteadores e pontos de acesso sem fio.

Além do PC de mesa, o Linux domina – mas isso importa?

Por que apenas 2 por cento?

Falo frequentemente em eventos e, depois, converso com muita gente sobre tecnologia. Não estou mais surpreso que a maioria das pessoas nem tenha ouvido falar do Linux, nem saibam ou se importem com o que é um sistema operacional. Conheci proprietários de Mac que achavam que seus computadores executavam o Windows “à maneira da Apple” e proprietários de Chromebooks que achavam que estavam usando o Android. Claro, tanto o Android quanto o Chrome OS são construídos sobre um kernel Linux, de qualquer maneira.

Parece que a maioria das pessoas – mesmo aquelas em uma palestra sobre tecnologia – não pensa um momento sobre o que está dentro de seu computador. Eles querem hardware elegante, desempenho rápido e bateria de longa duração. Acima de tudo, eles querem poder executar o mesmo software que seus amigos ou o que usam no trabalho.

Eles compram um computador ou laptop e obtêm o Windows por padrão ou compram um Mac. As pessoas me dizem que compraram um Mac porque disseram que era “mais fácil de usar” ou porque gostam do iPhone, então compraram um computador Apple. As pessoas compram computadores como compram microondas. Eles não se importam com o que os faz ir, eles só querem reaquecer a comida.

Claro, há outros que estão mais familiarizados com a tecnologia. Eles podem tomar decisões informadas sobre o equipamento que compram ou montam sozinhos, mas são uma minoria. As pessoas que usam desktops Linux estão nesta categoria, mas somos a minoria da minoria.

Quando falo com pessoas que entendem um pouco mais de sistemas operacionais, as razões que eles dão para não rodar o Linux são variações de um conjunto dos seguintes temas:

Jogos: Os jogos no Linux melhoraram aos trancos e barrancos nos últimos anos, mas ainda há mais opções no mundo Windows. A percepção de que é mais fácil executar hardware de jogos otimizado e de ponta no Windows também persiste.
O Linux não executará um determinado software: seja ele Photoshop, AutoCAD, ou Microsoft Office, isso é um fator decisivo para muitas pessoas. Eles não estão interessados ​​em alternativas ou executar as coisas sob Vinho.
Medo da linha de comando: Eles não querem ter que aprender algo novo.
Eles não querem ser diferentes: eles querem usar as mesmas coisas que seus amigos e familiares usam.
Eles não têm opinião sobre liberdades pessoais: como software livre e código aberto.
Eles não querem mexer: eles só querem continuar com seu trabalho.

Hardware é a resposta?

O laptop de edição de desenvolvedor XPS 13 da Dell vem com o Ubuntu pré-instalado.

Dell e HP oferecem opções de hardware pré-instaladas com Linux desde 2007 e 2004, respectivamente. Sistema 76 fornece laptops e computadores de última geração projetados para Linux desde 2005. Há uma nova onda de hardware de computador que vem com o Linux como sistema operacional, como a variedade de máquinas poderosas de Smoking e a linha econômica de Pine64.

Mas quem está comprando esses dispositivos? Eles estão ganhando novos convertidos ou vendendo para a base Linux estabelecida? É difícil imaginar outra coisa além deste último para o público doméstico, embora empresas e outras organizações também possam investir neles.

A cidade de Munique mudou do Windows para o Linux em 2004 e, da mesma forma, trocou de volta 10 anos depois. Eles agora estão no processo de reversão para o Linux.

A transição de Barcelona do Windows para o Linux está em andamento. Eles estão substituindo todos os aplicativos de desktop por alternativas de código aberto. Eles mudarão para o Linux quando o único software proprietário em uso for o sistema operacional. A ideia é que a equipe já esteja familiarizada com os aplicativos, então o salto para o Linux não será um choque cultural.

Usar o Linux no trabalho pode mudar o que as pessoas se sentem confortáveis ​​em executar quando chegam em casa, mas isso pode acontecer de duas maneiras, é claro.

Então, há a China

Na China, poderemos ver em breve um grande aumento no número de pessoas usando desktops Linux como resultado da Embargo comercial dos EUA com Huawei. Pequim ordenou que cada um de seus governos e instituições públicas substituir todo o equipamento informático e software provenientes de fora da China, incluindo Windows.

Eles também criaram seus próprios Distribuição Linux baseada em Deepin para ajudá-los a conseguir isso, chamado de Sistema Operacional Unity (UOS).

Quem está usando Linux?

Há pessoas que ainda usam Linux entre todos os seguintes:

Devotos de longa data e hobistas.
Pessoas que usaram um *NIX na faculdade ou profissionalmente.
Aqueles com hardware muito antigo ou com pouca potência para conduzir o Windows 10.
Conselhos, administrações, empresas e instituições de caridade.
Formandos em ciência da computação.
Pessoas interessadas em software de código aberto, software livre e privacidade.
O curioso.
Pessoas que vieram para o Linux por qualquer motivo e se sentiram em casa.
Desenvolvedores—muitos desenvolvedores.

Se o mundo roda em Linux, o mundo precisa de desenvolvedores Linux. A riqueza de ferramentas de desenvolvimento que estão disponíveis gratuitamente no Linux é surpreendente. Seja para aplicativos, web, multiplataforma ou desenvolvimento incorporado, as cadeias de ferramentas de qualidade profissional estão ao seu alcance. Tanto que os desenvolvedores estavam deixando a plataforma Windows para a experiência superior de desenvolvimento Linux.

O Windows Subsystem for Linux (WSL) foi a maneira da Microsoft de atraí-los de volta. A versão mais recente, WSL2, inclui um kernel Linux genuíno, proporcionando uma experiência Linux quase nua para o desenvolvedor.

Como Ray Davies, do The Kinks, canta: “É um mundo confuso, confuso e abalado”. O Linux está dentro do Windows 10 e a Microsoft lançou aplicativos para Linux. Essa é uma frase que eu nunca pensei que escreveria.

Você pode instalar o Microsoft Código do Visual Studio ambiente de desenvolvimento integrado no Linux e usá-lo livremente para projetos privados e comerciais. Você também pode usar um Microsoft Teams cliente Linux nativo para colaborar com seus colegas enquanto você está codificando.

Esses aplicativos não são de código aberto, portanto, são gratuitos (como na cerveja, não como na fala). Ainda assim, alguém na Microsoft está sentado e prestando atenção. Se o mundo roda em Linux, o mundo precisa de desenvolvedores Linux, e a Microsoft quer que eles desenvolvam multiplataforma no Windows.

2% dos desktops: isso importa?

O Linux não dominou o mundo dos desktops, mas isso realmente importa? Afinal, é universal. Ele já roda praticamente a Internet e a Internet das Coisas. Está no espaço, submarinos nucleares e carros autônomos. É um sistema operacional incrível com uma história incrível.

E um pequeno número de nós até o usa em nossos PCs de mesa.