Por que as pessoas ainda compram telefones com recursos em 2020

O smartphone em seu bolso pode realizar milhões de cálculos por segundo, jogar jogos 3D visualmente impressionantes, acessar informações em todo o mundo e talvez até tirar fotos com qualidade DSLR. É fácil tomar isso como garantido – especialmente quando você considera as origens humildes do telefone celular.

Telefones como os humildes tijolos Nokia de outrora ainda estão sendo fabricados. Mas quem os está comprando e por quê?

O feature phone: uma história resumida

Durante grande parte das décadas de 1990 e 2000, o mundo móvel se dividiu em dois campos: telefones e outros. Os primeiros eram para agradar as pessoas do mercado de massa, mas não eram sofisticados. Eles fizeram ligações e enviaram mensagens. Pense em dispositivos como o icônico Nokia 3310 e o Motorola StarTAC.

Com o passar do tempo, outros recursos surgiram, como mensagens de vídeo e fotos, bem como navegação básica na web por meio de tecnologias como o Wireless Application Protocol (WAP). No entanto, os altos custos de dados e a qualidade relativamente baixa limitaram drasticamente o apelo desses recursos. A maioria das pessoas continuou a usar seus telefones celulares estritamente para comunicação.

Em retrospecto, a categoria “outro” é muito mais interessante. Consistia em dispositivos semelhantes a laptops de bolso, como o Psion Series 5, o Nokia Communicator e o venerável BlackBerry. Mais tarde, surgiram ferramentas baseadas em telas sensíveis ao toque semelhantes aos smartphones modernos, incluindo PDAs com capacidade para celular da HP (vendidos sob a linha iPaq) e da Palm.

À medida que os anos 2000 continuaram, o mercado de telefones comuns começou a se aproximar de algo que parecia paridade com seus irmãos mais sofisticados (e caros).

Dispositivos como o LG Renoir 2008 abandonaram o teclado T9 para uma tela sensível ao toque completa (embora um pouco desajeitada e resistiva).

No Reino Unido, a rede local Three (nomeada para o serviço 3G com o qual estreou) oferecia um telefone com chamadas via Skype integradas. Enquanto isso, o Motorola Rokr oferecia reprodução de MP3, combinando a funcionalidade de um celular com a de um iPod.

Também houve outliers estranhos, como o Nokia N-Gage e o LG enV. Foi um momento emocionante com muitos dispositivos diferentes. Mas logo ficou claro que a festa não era para durar.

No final da década, o mercado de smartphones havia crescido. Isso ocorreu em grande parte porque eram mais baratos e as empresas conseguiram mudar a percepção do público de que eram apenas para negócios.

O BlackBerry é, sem dúvida, o melhor exemplo disso. Seus telefones revestidos de QWERTY mudaram do escritório para a rua graças a linhas de orçamento, como o BlackBerry Curve. Enquanto isso, o iPhone foi lançado em 2007, com o primeiro telefone Android (o HTC Dream) chegando às prateleiras no ano seguinte.

Os preços dos dados também caíram, com as operadoras oferecendo rotineiramente quantidades generosas de megabytes. Foi nesse ponto que a maioria das pessoas começou a abandonar o navio. Até o segundo trimestre de 2013, as vendas de smartphones superou oficialmente os telefones de recursos básicos.

Telefones com recursos em 2020

Não seria correto (ou justo) dizer que os feature phones desapareceram completamente. Não só eles ainda existem, mas também continuam a evoluir. Eles continuam extremamente populares em áreas como a África Subsaariana, onde até os dispositivos Android mais baratos são proibitivamente caros para muitos.

No segundo trimestre de 2019, os feature phones representaram quase 58,3% do mercado, mas esse é um número que está diminuindo rapidamente. Também é interessante notar que há uma grande economia digital centrada em torno desses dispositivos básicos.

O melhor exemplo disso é M-Pesa, que pode ser melhor descrito como a resposta da África ao Venmo. Fundado pela Vodafone e Safaricom em 2005, o serviço permite que clientes em vários países africanos – incluindo Quênia e Tanzânia – enviem e recebam dinheiro via SMS.

No Ocidente, os feature phones têm uma posição um pouco diferente no mercado. Eles costumam ser uma escolha popular para pessoas mais velhas e menos experientes em tecnologia. Um fornecedor, Doro, atende a esse mercado com uma linha de telefones básicos divulgando botões mais robustos e fones de ouvido mais altos. O Alcatel Go Flip 3 desempenha um papel semelhante, embora de forma menos explícita.

Há também o elemento nostalgia. Muitos feature phones contemporâneos são simplesmente versões renovadas de dispositivos anteriores. A Nokia é uma reincidente aqui, pois introduziu versões modernizadas do 3310, 8110 e 5310. São todos dispositivos básicos, mas têm telas coloridas, reprodução de música e uma câmera simples.

É provável que muitas pessoas comprem apenas porque são retrô. No entanto, também é plausível que sejam usados ​​como telefones de backup ou em ambientes nos quais um smartphone pode ser danificado, como um festival de música.

Nem inteligente, nem recurso

Perdoe o trocadilho, mas o setor móvel não é binário. Há um meio-termo, ocupado por dispositivos rodando KaiOS.

Esses telefones geralmente se assemelham aos dispositivos da era pré-smartphone e incluem recursos como telas quadradas e teclados T9 físicos. No entanto, eles também têm o que você esperaria em um dispositivo moderno, como uma loja de aplicativos, assistentes de voz, navegadores da web, atualizações sem fio e streaming de vídeo.

Crucialmente, eles também podem ser executados confortavelmente no hardware mais austero, com o KaiOS aparecendo em telefones de US $ 20, como o MTN Smart.

KaiOS começou como Firefox OS, a tentativa da Mozilla de criar um sistema operacional para smartphone para rivalizar com Android e iOS. Seu principal diferencial era que ele rodaria até mesmo nos dispositivos mais limitados. Foi um projeto de vida relativamente curta, no entanto; A Mozilla desistiu no início de 2017, citando dificuldades na construção de tração.

Esse não foi o fim da história, no entanto. A comunidade rapidamente pegou a folga, bifurcando o código-fonte em um novo projeto chamado B2G OS (Boot 2 Gecko), que mais tarde formou a base do KaiOS.

Em maio de 2019, o KaiOS anunciou que atingiu o marco de 100 milhões de dispositivos. É quase certo que melhorou esse número agora, principalmente porque os custos de acesso móvel caíram em lugares como a Índia. Consequentemente, o KaiOS está ganhando força rapidamente com os desenvolvedores, incluindo Google e Facebook.

Qual é o futuro dos feature phones?

O prognóstico de longo prazo para o mercado de feature phone não é bom. Esforços intermediários, como o KaiOS, continuarão a diminuir sua participação de mercado já diminuída.

Depois, há outros fatores, como o Android Go – o esforço do Google para levar o Android a dispositivos mais baratos e menos capazes.

Enquanto isso, porém, os fabricantes de telefones continuarão a manter a lâmpada do feature phone acesa. Por muito tempo que brilhe!