O que era o BeOS e por que as pessoas o adoravam?

Em meados da década de 1990, a Be Inc. teve a audácia de criar um sistema operacional de computador pessoal totalmente novo do zero. Ganhou aclamação da crítica por seus recursos avançados, mas não conseguiu capturar uma participação de mercado significativa. Ainda é um favorito cult 25 anos depois, e aqui está o porquê.

O segredo do BeOS? Um novo começo e sensação única

O BeOS é um sistema operacional multimídia extinto que foi introduzido pela primeira vez em outubro de 1995 para o computador BeBox da Be Inc.. As forças motrizes por trás de Be foram Jean-Louis Gasséeex-vice-presidente de desenvolvimento de produtos da Apple, e Steve Sakomancriador do Apple Newton. Com essas credenciais tecnológicas, a Be conquistou a atenção do setor desde o início.

Uma versão inicial do BeOS rodando em um BeBox.

O BeOS era único entre os sistemas operacionais de computador dos anos 90 devido à falta de código legado. Em meados dos anos 90, Windows, Mac OS, OS/2, Solaris, Linux e até mesmo NeXTSTEP eram sistemas operacionais evolucionários com pelo menos uma década de história. Com o BeOS, no entanto, a Be ousou criar um sistema operacional totalmente novo do zero para atender às necessidades da época: suporte multimídia e internet.

Ser desenvolvido BeOS em conjunto com uma plataforma de hardware baseada em PowerPC de processador duplo personalizada chamado BeBox. Lançado pela primeira vez em 3 de outubro de 1995, foi equipado para lidar com áudio e vídeo digital com mais habilidade do que os Macs e PCs contemporâneos.

O BeBox original, por volta de 1995.

O BeBox era uma máquina estranha, mas desejável. Originalmente vendido por cerca de US$ 1.600 (US$ 2.700 em dinheiro de hoje) e foi destinado a ser usado mais como uma plataforma de desenvolvimento do que um dispositivo de consumo geral.

Também serviu como prova importante de que a visão de computação de desktop centrada em multimídia da Be poderia funcionar.

O que tornou o BeOS especial?

Logo após o lançamento do BeOS, a imprensa estava cético sobre o projeto, mas, em geral, elogiou sua interface limpa e organizada. O uso do botão do BeOS é mínimo e prudente. Em vez de barras no topo de cada janela, o BeOS tinha abas de janela. Seus ícones também eram fofos e descomplicados.

O sistema de menu Deskbar do BeOS (aproximadamente equivalente ao menu Iniciar do Windows e ao Dock do macOS) permitia uma interface compacta, porém robusta, para gerenciar aplicativos e preferências. Na versão 5 do Beos (R5), ele também pode ser estendido na parte inferior da tela como um menu Iniciar.

Gerenciador de tarefas Deskbar do BeOS 5 em ação.

Ao contrário de outros sistemas operacionais da época, o BeOS suportava aplicativos multithread e incluía suporte para máquinas multiprocessadores desde o início. Após uma atualização, ele também incluiu um sistema de arquivos com journaling de 64 bits multi-thread chamado BFS. Isso tinha um banco de dados embutido projetado para suportar gravação e reprodução de multimídia digital, o que era novidade em meados dos anos 90.

O objetivo era fazer o sistema operacional parecer leve e rápido (supostamente, a inicialização no BeBox levou tão pouco quanto 10 segundos), enquanto ainda é robusto o suficiente para reproduzir vários arquivos de vídeo digital simultaneamente. Esta foi uma conquista de tirar o fôlego para 1995.

O BeOS também vinha com um navegador da web e tinha elementos semelhantes ao UNIX, incluindo suporte para uma interface de linha de comando Bash, apesar do fato de não ser baseado em Unix. Ele também suportava desktops virtuais para produtividade, um recurso que ainda não foi implementado nos níveis do BeOS na maioria dos sistemas operacionais modernos.

Por que o BeOS falhou?

Com sua tecnologia altamente elogiada e desentendimentos próximos com sucesso, o BeOS é quase um caso clássico de cenários dolorosos de tecnologia. Mais notoriamente, em 1996, a Apple fez uma oferta para comprar o Be e sua propriedade intelectual com a intenção de fazer do BeOS o núcleo de um novo Macintosh OS. Os executivos da Be recusaram o preço oferecido (supostamente, cerca de US$ 120 milhões), e as negociações logo pararam.

Quando Steve Jobs ficou sabendo do possível acordo com o BeOS, ele ofereceu a NeXT e seu sistema operacional, que acabou vencendo. Assim, o Mac OS X da Apple nasceu, mas seu ímpeto poderia facilmente ter sido o BeOS se tivesse sido aceita a oferta inicial da Apple.

Sem a venda para a Apple, Be foi deixado sozinho. Depois de vender apenas cerca de 1.800 unidades do BeBox ao longo de dois anos (e sem nenhuma aquisição futura), a Be decidiu desenvolver versões do BeOS que rodariam em Macs e hardware de PC Windows. Houve até um Personal Edition que pode ser executado dentro do Windows.

Uma cópia em caixa do BeOS vendida pela Gobe Software no final dos anos 90.

Infelizmente para Be, o espaço do sistema operacional de computadores pessoais era intensamente competitivo naquela época. Apple, Microsoft, IBM, NeXT e desktop Linux estavam todos competindo pelo domínio. Assim como o OS/2, o BeOS carecia de amplo suporte a aplicativos de terceiros porque os desenvolvedores estavam visando plataformas de SO com bases de instalação maiores primeiro.

Ainda assim, Be fez alguns negócios promissores. Ela negociou com vários fabricantes de PCs para incluir o BeOS em uma configuração de inicialização dupla com o Windows. No final, o único hardware de PC (além do BeBox) enviado com o BeOS foi o Hitachi FLORA Prius 330J linha no Japão.

Infelizmente, devido pressão monopolista da Microsoftsua instalação do BeOS permaneceu oculta, a menos que fosse desbloqueado através de um processo complicado. Ser processou a Microsoft por essa prática em 2002e o processo foi posteriormente resolvido fora do tribunal.

Uma foto vintage do Hitachi FLORA Prius 330J, que vem com o BeOS.

Em última análise, Be decidiu mudar de marcha e apoiar aparelhos de internet. A Palm, Inc. comprou o Be por US$ 11 milhões em 2001 e descontinuou o suporte para a versão desktop do BeOS. Até por volta de 2006, o BeOS vivia apenas como um sistema operacional embutido em alguns produtos de gravação e edição de vídeo da Roland e Tascam.

BeOS continua no Haiku OS

Hoje, você pode baixar e usar um descendente moderno funcional do desktop BeOS chamado Haiku. Este projeto gratuito e de código aberto ainda está em versão beta, mas é compatível com aplicativos BeOS legados (e novos). É uma alegria experimentar, em uma máquina virtual ou como uma instalação direta em hardware compatível com Windows.

O Haiku OS em ação.

A interface leve e eficiente do Haiku parece uma lufada de ar fresco em comparação com o Windows. Ele também inclui um navegador da Web moderno baseado no WebKit, para que você ainda possa fazer muito com ele, mesmo que o suporte a aplicativos BeOS e Haiku geralmente falte. Confira para ter um gostinho do futuro que poderia ter sido.

Feliz aniversário, BeOS!