O modo privado ou anônimo torna a navegação na Web anônima?

Privado é um termo relativo. Isso fica bem claro quando se trata de “navegação privada” – a configuração em um navegador da Web que supostamente permite ocultar seu histórico de outras pessoas que usam o mesmo computador.

Embora o modo privado (ou “anônimo”) possa encobrir suas atividades até certo ponto, ainda existem maneiras de rastrear suas ações. E não apenas por pessoas em sua rede, mas também por seu ISP, o governo e até hackers.

O que é o modo de navegação privada?

Antes de chegarmos ao cerne das coisas, vamos primeiro definir o que queremos dizer com modo “privado” ou “incógnito”. Esse recurso apareceu pela primeira vez no navegador Safari da Apple em 2005. Não demorou muito para que fornecedores de navegadores rivais, como Google e Mozilla, seguissem o exemplo. Logo, tornou-se um componente padrão para qualquer navegador da Web que se preze.

A navegação privada cria efetivamente uma sessão de navegação separada que é isolada da principal. Todos os sites que você visita não são registrados no histórico do seu dispositivo. Se você fizer login em um site no modo privado, o cookie não será salvo quando você fechar a janela.

Vale a pena mencionar que este princípio corta os dois lados, no entanto. As guias de navegação privada não podem acessar os cookies que você usa na sessão principal. Por exemplo, se você fizer login no Facebook e entrar no modo de navegação anônima, terá que fazer login novamente.

Isso torna um pouco mais difícil para sites de terceiros rastrearem sua atividade no modo de navegação anônima. Ele também permite que você acesse facilmente várias contas da web simultaneamente.

Como bônus, também fica mais fácil contornar os chamados “soft paywalls” – sites nos quais você tem acesso a algumas páginas antes de ser solicitado a fazer login ou assinar.

Os limites do modo de navegação anônima

Os navegadores que oferecem um modo privado geralmente se esforçam muito para enfatizar que não é uma proteção abrangente. Na melhor das hipóteses, ele fornece uma fina camada de privacidade para pessoas que trabalham em suas redes domésticas privadas.

O modo de navegação anônima não impede que os administradores de redes corporativas ou educacionais acompanhem sua atividade. Também não impede necessariamente que alguém espione seus hábitos de navegação se você estiver usando um ponto de acesso público em um café ou restaurante.

Novamente, a navegação privada se preocupa exclusivamente com a forma como os dados da atividade de navegação são armazenados em seu dispositivo pessoal, não com sua transmissão pela rede.

Além disso, existem maneiras pelas quais a navegação privada pode ser derrotada localmente. Se o seu computador estiver infectado com malware que rastreia o tráfego de rede e solicitações de DNS, o modo de navegação anônima não pode ajudá-lo. Ele também não pode vencer as técnicas de “impressão digital”, nas quais terceiros (geralmente redes de publicidade) tentam determinar características distintivas do seu computador para rastrear sua atividade em uma rede.

A impressão digital é um fenômeno interessante. Parece atrair menos atenção do que malware e trojans, apesar de sua capacidade de identificar indivíduos com precisão surpreendente. À medida que você navega na Internet, sites de terceiros podem coletar informações sobre seu computador, incluindo seu fuso horário, a resolução da tela, o navegador, os plug-ins e o idioma que você usa e assim por diante.

Qualquer uma dessas informações pode ser insignificante por si só, mas, juntas, fazem parte do perfil semi-único do seu dispositivo. Pesquisa do Fundação Fronteira Eletrônica mostra que apenas um em 286.777 navegadores compartilha a mesma configuração precisa (ou “impressão digital”).

A EFF oferece um serviço chamado Panóptico, que pode mostrar a pontuação de exclusividade do seu navegador. Este site ilustra a infeliz realidade de que nossas configurações de computador são mais exclusivas do que pensávamos, facilitando o rastreamento de terceiros.

A privacidade online é mesmo realista?

O que a “privacidade” eletrônica realmente significa e se é mesmo uma perspectiva realista na internet são tópicos importantes a serem explorados.

Nos termos mais simples, a privacidade na Internet indica a capacidade de se comunicar e navegar sem que um terceiro externo possa observar nossas atividades. Atualmente, enfrentamos uma abundância de potenciais barreiras para isso.

E aqueles que operam sua rede e seu ISP? E não se esqueça do seu governo. Há também a indústria de tecnologia de anúncios, que oferece anúncios direcionados com precisão por meio de sofisticados sistemas de rastreamento, incluindo a abordagem de impressão digital que mencionamos anteriormente.

A Internet é um panóptico. Sim, o setor de VPN promete oferecer privacidade se você investir em seus produtos, mas não há bala de prata. A verdadeira privacidade parece ilusória. O melhor que você pode esperar é algo que se aproxime desse padrão elevado. Para chegar lá, você também terá, inevitavelmente, que investir tempo e dinheiro e estar preparado para sofrer uma experiência de navegação degradada.

Deseja impedir que seu administrador de rede veja o que você está fazendo? Bem, você precisará de uma VPN – e certifique-se de que não mantenha registros. Mas e os rastreadores? Você vai precisar de um plugin para eles. Para estar realmente seguro, desative o JavaScript completamente. Claro, isso impedirá que muitos sites funcionem corretamente, mas também impedirá esses scripts desagradáveis ​​de impressão digital.

Essas são medidas extremas, e não algo que recomendamos, por razões óbvias. No entanto, eles ilustram o fato de que a privacidade na internet não é preto-e-branco. Pelo contrário, é um espectro de tons.