Como comprar uma TV para jogos em 2020

A tecnologia de exibição percorreu um longo caminho em uma década. Se você deseja uma TV para videogames, incluindo um console de última geração e títulos para PC, suas necessidades são bem diferentes do comprador médio.

A importância do HDMI 2.1

A próxima geração de consoles e placas gráficas de PC de última geração está aqui. A Sony e a Microsoft estão lutando contra o PlayStation 5 e o Xbox Series X, ambos com portas HDMI 2.1. A NVIDIA também lançou seu recorde de placas da série 30 com suporte total para HDMI 2.1.

Então, qual é o grande problema desse novo padrão?

Interface multimídia de alta definição (HDMI) é como sua TV se conecta a consoles, players de Blu-ray e muitas placas gráficas de PC. O HDMI 2.0b atinge uma largura de banda de 18 Gbits por segundo, o que é suficiente para conteúdo 4K a 60 quadros por segundo.

O HDMI 2.1 permite velocidades de até 48 Gbits por segundo. Isso inclui suporte para 4K a 120 quadros por segundo (com HDR) ou 8K a 60 quadros por segundo. Também há suporte para áudio não compactado e uma série de outros recursos, como taxas de atualização variáveis ​​(VRR) e modo automático de baixa latência (ALLM) para minimizar o atraso de entrada.

No entanto, lembre-se de que o HDMI 2.1 só vale a pena se uma TV tiver um painel de 120 Hz. Algumas TVs, como a Samsung Q60T, anunciam suporte a HDMI 2.1, mas possuem apenas um painel de 60 Hz. Isso significa que eles não podem aproveitar 120 quadros por segundo porque a tela só é capaz de 60 quadros por segundo.

Você precisa de toda essa largura de banda extra? Se você quiser tirar o máximo proveito dos novos consoles, faça isso. No entanto, não está claro quantos jogos de próxima geração suportarão resolução 4K a 120 quadros. A Microsoft anunciou que alguns títulos do Xbox Series X suportarão 4K/120. A lista inclui o componente multiplayer de Halo Infinite (adiado até 2021), o jogo de plataforma atraente Ori e a Vontade dos Wisps, Dirt 5 e Gears of War 5.

A maioria dos jogos da geração anterior rodava a 30 quadros por segundo, incluindo lançamentos primários de grande orçamento, como The Last of Us Part II, e pilares de terceiros, como Assassin’s Creed. A Microsoft melhorou isso com o Xbox One X, otimizando alguns jogos para rodar em 60 quadros.

Tanto o PS5 quanto o Xbox Series X terão como linha de base 4K 60 quadros. Se você quiser se preparar para o futuro, compre uma tela de 120 Hz com compatibilidade com HDMI 2.1, mesmo que as portas atinjam 40 Gbits por segundo (como algumas TVs e receptores LG e Sony de 2020). Os 40 Gbits por segundo são suficientes para um sinal 4K a 120 quadros com suporte total a HDR de 10 bits.

Até a NVIDIA desbloqueou Suporte de 10 bits em suas placas da série 30. Isso permite que monitores com 40 Gbits por segundo lidem com 120 quadros em 4K com 10 bits sem subamostragem de croma (ou seja, fazendo com que alguns canais omitam certas informações de cores).

Se você estiver com seu PlayStation 4 ou Xbox One por um tempo, ou não precisar de uma jogabilidade de 120 quadros por segundo, o HDMI 2.0b é bom por enquanto. Também é bom se você estiver adquirindo o Xbox Series S mais barato, que visa 1440p, em vez de 4K completo.

Nos próximos anos, mais e mais modelos suportarão HDMI 2.1 e você terá mais opções, o que significa mais oportunidades para economizar dinheiro.

Taxa de atualização variável, modo automático de baixa latência e transporte rápido de quadros

Alguns dos novos recursos HDMI 2.1 também estão disponíveis através do padrão HDMI 2.0b mais antigo e foram implementados em TVs que não suportam explicitamente HDMI 2.1.

Taxa de atualização variável (VRR ou HDMI VRR) é uma tecnologia que rivaliza com NVIDIA G-Sync e AMD FreeSync. Enquanto os últimos são principalmente para jogadores de PC, o HDMI VRR é para consoles. Atualmente, apenas a Microsoft se comprometeu com esse recurso no Xbox Series X e S, mas o PlayStation 5 também deve suportá-lo.

O VRR foi projetado para evitar o rasgo da tela, que é um efeito colateral desagradável de um console que não consegue acompanhar a taxa de atualização da tela. Se o console não estiver pronto para enviar um quadro completo, ele envia um parcial, o que causa um efeito de “tearing”. Quando a taxa de atualização está em uníssono com a taxa de quadros, o rasgo é praticamente eliminado.

O modo automático de baixa latência (ALLM) é um método inteligente de desabilitar o processamento para reduzir a latência ao jogar. Quando a TV detecta o ALLM, ela desativa automaticamente os recursos que podem introduzir latência. Com o ALLM, você não precisa se lembrar de alternar para o modo Jogo para obter o melhor desempenho.

O Quick Frame Transport (QFT) funciona com VRR e ALLM para reduzir ainda mais a latência e o rasgo da tela. O QFT transporta quadros da fonte a uma taxa mais alta do que a tecnologia HDMI existente. Isso faz com que os jogos pareçam mais responsivos.

Todos os dispositivos na cadeia HDMI precisam de suporte para que esses recursos funcionem, incluindo receptores AV.

Vamos falar de latência

Ao comprar uma nova TV, você provavelmente verá dois termos de som semelhante que se referem a coisas diferentes: latência (ou lag) e tempo de resposta.

A latência é o tempo que leva para a tela reagir à sua entrada. Por exemplo, se você pressionar um botão para pular no controle, a latência é quanto tempo leva para seu personagem pular na tela. A latência mais baixa pode dar a você a vantagem em jogos multiplayer competitivos ou tornar os jogos single-player mais responsivos.

Este atraso é medido em milissegundos. Geralmente, uma latência de 15 ms ou menos é imperceptível. Algumas TVs de última geração reduzem isso para cerca de 10 ms, mas qualquer coisa abaixo de 25 ms geralmente é boa o suficiente. A importância disso depende inteiramente do tipo de jogo que você joga.

O tempo de resposta refere-se à resposta do pixel. Esse é o tempo que um pixel leva para mudar de uma cor para outra, geralmente citado no desempenho “cinza-a-cinza”. Isso também é medido em milissegundos, e não é incomum que os monitores de última geração tenham uma resposta de pixel de 1 ms ou melhor. Os displays OLED, em particular, têm um tempo de resposta quase instantâneo.

Muitas TVs premium e emblemáticas têm boa latência e tempos de resposta. As TVs econômicas podem ser um sucesso ou um fracasso, portanto, faça sua pesquisa antes de comprar. No RTINGS, eles testam a latência e listar todos os modelos de revisão por atraso de entrada se você quiser ver como o que você está considerando se comporta.

FreeSync e G-Sync

As taxas de atualização variáveis ​​eliminam o rasgo da tela, combinando a taxa de atualização do monitor com a taxa de quadros da fonte. Em um PC, isso é uma placa gráfica ou GPU. Tanto a Nvidia quanto a AMD possuem tecnologias proprietárias que lidam com esse problema.

G-Sync é a tecnologia de taxa de atualização variável da Nvidia e requer um chip de hardware na tela. Ele só funciona com placas gráficas Nvidia, no entanto. Se você possui uma placa Nvidia GTX ou RTX que deseja usar com sua nova TV, apenas certifique-se de que ela seja compatível com G-Sync.

Atualmente, existem os três níveis de G-Sync a seguir:

G-Sync: Oferece jogos sem rasgos em definição padrão.
G-Sync Ultimate: Projetado para uso com HDR de até 1.000 nits de brilho.
Compatível com G-Sync: Estes são monitores que não possuem o chip de pré-requisito, mas ainda funcionam com G-Sync normal.

FreeSync é a tecnologia equivalente da AMD e funciona com a linha de GPUs Radeon da AMD. Existem três camadas de FreeSync, um poço:

FreeSync: Remove o rasgo da tela.
FreeSync Premium: Incorpora compensação de baixa taxa de quadros para aumentar as baixas taxas de quadros. Requer uma tela de 120 Hz a 1080p ou melhor.
FreeSync Premium Pro: Adiciona suporte para conteúdo HDR de até 400 nits.

Muitas TVs que suportam G-Sync também funcionam com FreeSync (e vice-versa). Atualmente, existem muito poucas TVs que suportam explicitamente o G-Sync, principalmente a principal linha OLED da LG. O FreeSync é mais barato de implementar porque não requer nenhum hardware adicional, por isso é amplamente encontrado em telas mais acessíveis.

Como a AMD está fabricando as GPUs dentro do Xbox Series X/S e do PlayStation 5, o suporte ao FreeSync pode ser mais importante para os jogadores de console desta geração. A Microsoft confirmou o suporte ao FreeSync Premium Pro para o próximo Series X (além do HDMI VRR), mas não está claro o que a Sony está usando.

Considere onde você estará jogando

Atualmente, existem dois tipos principais de painéis no mercado: LCDs iluminados por LED (incluindo QLEDs) e OLEDs autoiluminados. Os painéis LCD podem ficar muito mais brilhantes do que os OLEDs porque o OLED é uma tecnologia orgânica auto-emissiva que é mais suscetível à retenção permanente de imagem em alto brilho.

Se você estiver jogando em uma sala muito iluminada, poderá descobrir que um OLED simplesmente não é brilhante o suficiente. A maioria dos painéis OLED está sujeita à limitação de brilho automático (ABL), que reduz o brilho geral da tela em cenas bem iluminadas. Os painéis LCD não são suscetíveis a isso e podem ficar muito mais brilhantes.

Se você joga principalmente durante o dia em uma sala cheia de janelas com muita iluminação ambiente, um LCD pode ser a melhor escolha. No entanto, em uma sala com controle de luz à noite com iluminação sutil, um OLED fornecerá a melhor qualidade de imagem.

Geralmente, os OLEDs fornecem excelente qualidade de imagem devido à sua relação de contraste (teoricamente) infinita. Os modelos QLED (LCDs iluminados por LED com filme de pontos quânticos) têm maior volume de cores, o que significa que podem exibir mais cores e obter mais brilho. Cabe a você decidir qual se adapta melhor ao seu orçamento e ambiente de jogo.

Gravação OLED

Os painéis OLED são suscetíveis à retenção de imagem permanente ou “burn-in”. Isso é causado por conteúdo estático, como placares ou logotipos de canais de TV, que permanecem na tela por um longo período. Para os jogadores, isso também se aplica aos elementos do HUD, como barras de saúde e minimapas.

Para a maioria das pessoas, isso não será um problema. Se você variar o consumo de conteúdo e desgastar o painel, provavelmente não encontrará burn-in. Além disso, se você jogar uma variedade de jogos, isso não será um grande problema.

Para quem isso pode ser um problema são as pessoas que jogam o mesmo jogo por meses, especialmente se for pesado em elementos HUD. Uma maneira de reduzir o risco de burn-in é habilitar a transparência do HUD ou desativá-lo completamente. Claro, isso nem sempre é possível ou desejável.

Muitas TVs OLED agora incluem medidas de redução de burn-in, como o recurso Logo Luminance da LG, que escurece a tela quando o conteúdo estático é exibido por dois minutos ou mais. Isso deve ajudar a manter o burn-in afastado.

Para jogadores de PC que usam uma TV como monitor (com barras de tarefas e ícones na tela), um OLED provavelmente não é a melhor escolha. Qualquer quantidade de imagem estática representa um risco de burn-in. A menos que você esteja usando uma tela apenas para jogar ou assistir a filmes, considere um painel LCD de última geração.

Nem todo o burn-in é perceptível durante o uso no mundo real. Muitas pessoas só descobrem quando executam padrões de teste, incluindo slides coloridos. Infelizmente, a maioria das garantias, principalmente dos fabricantes, não cobrem o burn-in. Se você estiver preocupado e ainda quiser um OLED, considere obter uma garantia estendida de uma loja como a Best Buy que cobre explicitamente esse problema.

HDR, o HDR Gaming Interest Group e Dolby Vision

Os jogos HDR estão prestes a se tornar populares com o lançamento do PlayStation 5 e Xbox Series X/S. Com ambas as plataformas suportando HDR de alguma forma, você vai querer garantir que sua próxima TV seja pelo menos compatível com HDR10, para que você obtenha imagens mais ricas, brilhantes e detalhadas.

O HDR Gaming Interest Group (HGIG) foi formado em uma tentativa de padronizar os jogos HDR através do formato HGIG. Os jogos devem ser certificados para suporte HGIG. Espera-se que o formato decole com a chegada dos jogos da próxima geração, então provavelmente vale a pena procurar uma TV HDR com suporte a HGIG.

Tanto o Xbox Series X quanto o S também terão suporte para Dolby Vision HDR, que é mais um formato. Ao contrário do HDR10, que usa metadados estáticos, o Dolby Vision usa metadados dinâmicos cena a cena. Atualmente, o conteúdo masterizado em Dolby Vision pode atingir até 4.000 nits de brilho de pico, embora nenhum monitor de consumidor ainda possa atingir esses níveis.

Para usar o Dolby Vision em seu novo Xbox, você precisará ter uma TV compatível. Fabricantes como LG, Vizio, HiSense e TCL produzem TVs com suporte a Dolby Vision. A Samsung, no entanto, evitou o formato em favor do HDR10 +. Se você estiver adquirindo um Xbox de última geração, lembre-se de que os jogos precisarão explicitamente oferecer suporte ao recurso.

A próxima geração de jogos

Este foi um ano turbulento para a maioria, então a chegada dos consoles e placas gráficas da próxima geração é ainda mais emocionante do que o habitual. Também não é um mau momento para atualizar sua TV, principalmente se você adiou a compra de um aparelho 4K até agora.

O preço dos OLEDs da LG caiu significativamente nos últimos anos. Os filmes Quantum Dot agora são encontrados em conjuntos de LCD de US$ 700, o que significa que você pode ter uma imagem brilhante e colorida sem gastar milhares.

Em breve haverá ainda mais cortes de preços, painéis de 120 Hz, TVs mini-LED e ampla adoção do HDMI 2.1.